Regeneração natural abre caminhos para a restauração florestal em larga escala

Tema será abordado pela ecóloga vegetal Robin Chazdon, da Universidade de Connecticut, durante evento na Unicamp

 


Diversos são os fatores espaciais e temporais que determinam o potencial de regeneração de uma floresta. Discutir essas condições, bem como as estratégias para reconhecê-las, é o objetivo da conferência Direcionadores da regeneração florestal: de folhas a paisagens, que será proferida pela ecóloga vegetal Robin Chazdon em 21 de agosto, às 17 horas, durante o evento 2ª Rabeco & 6º SET, no Centro de Convenções da Unicamp.

Chazdon é professora emérita da Universidade de Connecticut, nos Estados Unidos, coordena um grupo de pesquisa internacional e interdisciplinar sobre restauração ecológica nos trópicos, o PARTNERS (People and Reforestation in the Tropics), e é diretora executiva da Association for Tropical Biology and Conservation. Atualmente, ainda desenvolve pesquisas junto ao Instituto Internacional para Sustentabilidade, no Rio de Janeiro.

Segundo a ecóloga, o Brasil enfrenta diversos impasses em termos de restauração florestal, a começar pela dificuldade de se garantir que as leis existentes sejam cumpridas. “Para os proprietários, restaurar a floresta em suas terras pode reduzir a área produtiva, o que gera um desafio econômico”, diz. Mas a regeneração natural de florestas, utilizando ao máximo espécies nativas de cada região, pode abrir caminhos para a restauração em larga escala. “Identificar as áreas em que é provável que a regeneração natural ocorra com sucesso pode reduzir os custos de restauração e aumentar os benefícios para a conservação de biodiversidade”, explica Chazdon.

A pesquisadora ainda alerta para a necessidade de desenvolver mais estudos de longo prazo para entender como cultivar espécies nativas de importância econômica em áreas de restauração. “Isso contribuiria para a renda dos proprietários e faria com que a restauração florestal fosse uma melhor alternativa que outros usos da terra”, completa.

 

2ª Rabeco & 6º SET

O evento 2ª Rabeco (Reunião da Associação Brasileira de Ciência Ecológica e Conservação) e 6º SET (Simpósios de Ecologia Teórica) ocorrerá entre 19 e 22 de agosto na Unicamp (Universidade Estadual de Campinas). A programação completa pode ser consultada no site www.rabecoset2018.com.br.

O encontro é uma realização da Abeco (Associação Brasileira de Ciência Ecológica e Conservação) em parceria com o Instituto de Biologia da Unicamp e o Nepam (Núcleo de Estudos e Pesquisas Ambientais), da mesma Universidade. São apoiadores: Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo), CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico), Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior), Instituto Serrapilheira, INCT EECBio (Instituto Nacional de Ciência & Tecnologia em Ecologia Evolução Conservação da Biodiversidade) e Fundação Grupo Boticário.

------------------------------

Serviço:
2ª Rabeco & 6º SET
Quando: 19 a 22 de agosto de 2018
Onde: Centro de Convenções da Unicamp (Campinas, SP)
Mais informações: www.rabecoset2018.com.br | https://www.facebook.com/events/358312237993613/

Assessoria de imprensa:
Beatriz Guimarães
bz.guimaraes@gmail.com
19 98932-4141 (WhatsApp)